Riacho dos Machados
Governador autoriza retomadas das obras da estrada que liga Porteirinha a Riacho PDF Imprimir E-mail
Escrito por Fernando Lucas   
18 de julho de 2015
RIACHO DOS MACHADOS -- O Governador do Estado de Minas Gerais, Fernando Pimentel, assinou nesta semana ordens de serviço para a retomada imediata de obras prioritárias, paralisadas pelo governo passado. Os investimentos nessa primeira ordem de reinício somam R$ 463,5 milhões, a serem executados neste ano pelos departamentos de Estrada e Rodagem (DER-MG) e de Obras Públicas (DEOP-MG).
 
Dentre as obras que serão retomadas está o asfaltamento da estrada que liga Porteirinha a Riacho dos Machados. Em Minas Gerais, outros R$ 401 milhões já haviam sido autorizados no início de maio para recuperação, manutenção e projetos para as estradas estaduais mineiras, o que dá um total de R$864,5 milhões autorizados até o momento.
 
O secretário da Sedinor, Paulo Guedes, afirmou que as obras são de extrema importância para todo o estado, especialmente para as regiões Norte e Nordeste que são mais carentes de infraestrutura. “O que estamos fazendo é a retomada do crescimento, dos empregos. O governador conseguiu organizar o estado e está dando, de uma vez só, ordens de serviço para muitas obras importantes”, afirmou.
 
Transbordamento da barragem de rejeitos de mineração em afluente do rio Gorutuba é descartado por Co PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrator   
07 de janeiro de 2014
RIACHO DOS MACHADOS (por Oliveira Júnior) – Os vereadores Adauri Soares Cordeiro (PMDB) e Carlos Isaildon Mendes (PSDB), membros da Comissão de Meio Ambiente, Educação e Saúde da Câmara Municipal de Janaúba, estiveram no final deste ano de 2013, mais precisamente no último dia 22 de dezembro, nas imediações da barragem de rejeitos da Mineração Riacho dos Machados (MRDM), subsidiária da canadense Carpathian Gold INC, que extrai ouro em Riacho dos Machados.
Após receberem denúncia de possível vazamento dos rejeitos em afluente do rio Gorutuba, os vereadores Carlos Isaildon e Adauri Cordeiro se juntaram ao Movimento Amigos da Barragem (MAB) do Bico da Pedra, representado por Marcos Benício, e ao prefeito de Nova Porteirinha, Raul Alves, e se deslocaram até à referida represa de rejeitos. A comissão constatou que não havia transbordamento na represa cujo barramento tem uma proteção de aproximadamente oito metros de altura e que o nível de água e rejeito estaria em dois metros, ou seja, faltariam ainda cerca de seis metros para o possível transbordamento.
 
A barragem de rejeitos foi construída no córrego Olaria, que é afluente da margem esquerda do ribeirão Curral Novo que, por sua vez, deságua no Rio Gorutuba, onde existe a barragem que é utilizada para abastecimento público do município de Janaúba.
 
Os representantes da Comissão de Meio Ambiente da Câmara de Vereadores de Janaúba e do MAB Bico da Pedra temem pela provável ineficiência da impermeabilização o que acarretaria em contaminação do subsolo e do lençol freático. Os vereadores Adauri Cordeiro e Carlos Isaildon e o MAB Bico da Pedra elaborarão um relatório a ser encaminhado à Coordenadoria Regional das Promotorias de Justiça do Meio Ambiente das Bacias dos rios Verde Grande e Pardo de Minas.
Em abril deste ano foi realizada, em Janaúba, uma audiência pública promovida pelo Ministério Público (MP) com apoio da Câmara de Vereadores de Janaúba e participação ativa do Movimento Amigos da Barragem Bico da Pedra.
 
Nessa audiência, a promotora de Justiça, Ana Eloisa Marcondes da Silveira, coordenadora regional das Promotorias de Justiça do Meio Ambiente, havia anunciada a concordância da empresa de mineração em assinar junto ao MP um termo de compromisso através do qual era estabelecida a realização de auditoria, sob a supervisão do ministério. Essa avaliação seria planejada por uma empresa especialista em barragem de rejeito. “Será feita a análise se há segurança e verificar a execução da extração de ouro para que não haja surpresa (dano ambiental)”, citou à época a promotora. Outra decisão firmada no termo de compromisso é que a MRDM garanta a recuperação do local em caso de possível dano ambiental.
 
Ainda naquela audiência pública ocorrida em Janaúba, em abril de 2013, o vereador Carlos Isaildon, que também é membro do Movimento Amigos da Barragem (MAB), pediu pela intervenção do Ministério Público junto à Superintendência Regional de Regularização Ambiental (Supram) no sentido de realizar fiscalização periódica na mineração e que mantenha a população de Janaúba informada da situação.
 
BARRAGEM DE REJEITOS -- Barragem de rejeitos é o local onde se armazena o material que sobra do processo de extração do minério. No caso da MRDM, para extrair ouro, é utilizado o cianeto, um composto químico altamente venenoso e solúvel em água que pode vir a contaminar os rios e lençóis freáticos.
 
Há uma grande preocupação com a segurança da barragem Bico da Pedra em relação à implantação da Mineração de Riacho dos Machados. Segundo lideranças locais, a barragem de rejeitos da mineradora fica em torno de 300 metros de distância do ribeirão que deságua no rio Gorutuba, que forma a represa do Bico da Pedra.
 
Mineradora realiza blitz educativa PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrator   
05 de outubro de 2013

RIACHO DOS MACHADOS (Roberta Bertolucci) -- "O melhor caminho é a conscientização". Essa declaração é do diretor da Escola Estadual Antônio Mendes no distrito de Mocambinho, Admilson Marcos Oliveira, ao se referir à campanha de Segurança no Trânsito lançada esta semana pela Mineração Riacho dos Machados (MRDM) - Carpathian Gold Inc. O diretor que também faz parte da referida comunidade ressaltou a importância da iniciativa de caráter educativo e com foco na prevenção de acidentes.

A campanha foi marcada por uma Blitz Educativa realizada, na última terça-feira, dia primeiro de outubro, no trecho da MG-120 que liga os municípios de Porteirinha a Riacho dos Machados. Conduzida pela área de Segurança e Saúde Ocupacional da MRDM, com o apoio da área de Comunicação, a mobilização aconteceu durante todo o dia, em vários pontos da estrada. As atividades tiveram a parceria da 11ª Cia. Independente de Meio Ambiente e Trânsito. O Cabo Tadeu e o Sargento Arley participaram da Blitz juntamente com a equipe da Mineração que levou orientações para os condutores de veículos. As principais delas foram: reduzir a velocidade e não contribuir com o aumento da poeira, obedecer à sinalização, cuidados na ultrapassagem, respeito com pedestres e motoqueiros, uso do cinto de segurança, cuidado com animais na pista e se beber, não dirija.
Leia mais...
 
Copam aprova licença de instalação da Carpathian Gold em Riacho dos Machados PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrator   
26 de novembro de 2011

RIACHO DOS MACHADOS -- O Conselho de Política Ambiental (Copam) aprovou a Licença de Instalação (LI) para o grupo canadense Carpathian Gold explorar ouro no município de Riacho dos Machados. A empresa colocou os longos prazos para aprovação da licença como um obstáculo que poderia inviabilizar o aporte, mas mesmo após a aprovação da LI o investimento permanece em risco, segundo a gerente de meio ambiente da multinacional Cristianne Alam. Ela alega que foram transferidas para a empresa responsabilidades que são do Poder Público e, por isso, os canadenses estão avaliando os impactos financeiros das condicionantes para verificar se vão manter o projeto.

Em 2009 o grupo canadense assinou protocolo de intenções para extrair ouro em Riacho dos Machados, na região da Serra Geral de Minas em investimentos de US$ 160 milhões, a serem financiados pelo Macquare Bank, da Austrália.

O projeto da Usina de Ouro prevê a implantação de uma unidade industrial no município de Riacho dos Machados, destinada à produção de ouro em barras e processamento do minério. Em um primeiro momento, a mineração será a céu aberto e, na etapa seguinte, subterrânea. A empresa trabalha com a expectativa de produzir 2,2 milhões de toneladas por ano de minério, o que gerará o equivalente a 310 quilos de ouro. O faturamento previsto para 2011 é de R$ 100 milhões, enquanto de 2012 em diante o valor deve subir para R$160 milhões.

Para a aprovação, os conselheiros do Copam impuseram condicionantes que os empreendedores consideram que extrapolam a função empresarial, como o combate à exploração sexual infantil, capacitar os conselheiros municipais de Defesa da Criança e do Adolescentes e Tutelares, realizar seminários de sensibilização para alunos das escolas dos municípios envolvidos e custear o material educativo dessas campanhas. Ela deve fazer ainda um diagnóstico dos problemas na educação e também na saúde. Outra condicionante determina que a empresa viabilize a construção, reforma e manutenção de quadras e campos de futebol requeridos pela população.

Cristianne Alam observa que os investidores estão analisando os impactos financeiros dessas medidas para saber se existe viabilidade econômica para o projeto. Ela lembra que a empresa gerará mil empregos quando estiver no pico da obra e outros 400 na fase de operação, sendo a maior fornecedora de mão-de-obra local. (Girleno Alencar)

 
No ano que vem Jazida de minério de ferro e de ouro podem começar a ser explorada no Norte de Minas PDF Imprimir E-mail
Escrito por Fernando Lucas   
10 de agosto de 2011

 

RIACHO DOS MACHADOS -- A Mineração Riacho dos Machados (MRDM), subsidiária da canadense Carpathian Gold Inc., já protocolou pedido de licença de instalação (LI) na Superintendência Regional de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Supram) do Norte de Minas. O desfecho positivo do licenciamento permitirá à mineradora explorar reservas de ouro e minério de ferro em uma área de aproximadamente 600 hectares, em Riacho dos Machados, na região da Serra Geral de Minas.O projeto está orçado em cerca de US$ 150 milhões.

A licença prévia do empreendimento (LP) foi concedida no final de 2010 e deveria ter saído ainda no começo deste ano, conforme já havia previsto a empresa. Mas o atraso ocorreu em função de adaptações exigidas para o projeto pela Supram Norte de Minas. Ao todo foram 23 condicionamentos exigidos pelo órgão responsável pelo licenciamento ambiental, além da elaboração de um Plano de Controle Ambiental (PCA), já entregue à Supram, segundo a mineradora.

A jazida lavrável do insumo siderúrgico chegou a ser estimada em 15 milhões de toneladas, mas a empresa já confirmou que a reserva alcança 18 milhões de toneladas de minério de ferro.

Após a concessão da LI, o prazo de instalação do empreendimento é de 15 meses e o início das operações estava previsto, inicialmente, para o primeiro trimestre de 2012, data que pode sofrer atraso em função da demora do pedido oficial da licença.