A Involução das Espécies no Século XXI - Reforma Agrária no Norte de Minas PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrator   
24 de maio de 2013

Autor: Dr. Carlos Alberto Araújo Oliveira CRM (MG) 18.643

Image Image Image Image
        
As Fazendas Boi Bonito (I, II e III) localizadas no Município de Porteirinha, Norte das Minas Gerais, nada mais são, do que os “Laboratórios da Caatinga”. Isto, uma vez que, o proprietário, um médico premiado internacionalmente por pesquisa científica, continua mesmo aqui, fazendo as suas investigações. Mas agora, o alvo das pesquisas, é algo também de relevante importância para a humanidade: “O Desenvolvimento Econômico e a Preservação do Meio Ambiente”.

Por ocasião do furto e matança de novilhas de minhas propriedades rurais, por sem-terra que invadiram as fazendas vizinhas, acompanhei integrantes da Patrulha Rural, na visita à casa dos pais do líder de tais indivíduos, para lavrar um Boletim de Ocorrência em 20/06/2007. O pai do mesmo recebeu-me com muito entusiasmo, pois era meu  paciente  no  consultório   médico. Foi graças aos  meus   conhecimentos   adquiridos em  São Paulo (Disciplina  de  Alergia - Escola Paulista  de Medicina - UNIFESP - EPM),  que  este  asmático  grave,  não  morreu  e  melhorou   muito a  sua  qualidade  de  vida. A mãe do mesmo, sentindo muito orgulho oculto do filho, disse-me sem pensar: “O meu filho fez o curso para ser  líder  dos  sem-terra  em  Belo  Horizonte”.

Comentei então com os dois integrantes da Patrulha Rural: “Eu não sabia que existia um curso para ser líder dos sem-terra em Belo Horizonte”. Um dos policiais retrucou: “Este curso em Belo Horizonte  é para  ser  líder dos  sem-terra a  nível  estadual. Existe também o curso  para  ser líder dos  sem-terra a  nível  federal, em Brasília”. Em acréscimo, a mãe do líder procurado, que tinha acabado de revelar um segredo guardado a sete chaves, disse-me que o filho, naquela ocasião, estava em Brasília.

Mas uma frase proferida por uma jovem, então com 18 anos, a irmã mais nova deste líder, chamou-me muito a atenção. A jovem disse-me o seguinte: “Não é ilícito se apropriar de algo, que não está sendo usado”. Solicitei-lhe então, uma caneta e um pedaço de papel, para anotar e não esquecer jamais, de algo assim, tão brilhante.

Enfim, “Não é ilícito se apropriar de algo, que não está sendo usado”, nada mais é, do que parte da teoria, exposta em aulas no “Curso para ser Líder dos Sem-Terra” administrado secretamente para os escolhidos de varias regiões do estado, em  Belo  Horizonte.

Aqui em Janaúba (MG), poucos foram os escolhidos, adeptos da vadiagem, recrutados por integrantes do MST oriundos de Belo Horizonte, em um local  conhecido por  todos, como: “O Inferninho”.

Atuaram no modo de pensar de tais indivíduos, disseminando a idéia de que no amanhã, poderiam se tornar um grande político, um milionário, ou um empresário de sucesso. Isto, quando na verdade, uma vez concluído o “Curso para ser Líder dos Sem-Terra” em Belo Horizonte, se quiser continuar vivo, o coitado teria que exercer a tal da profissão.

Mas, pressionado pela família e pela religiosidade, o caboclo do Norte de Minas, não tem uma base sólida, não tem estrutura, não tem mesmo uma vocação, para ser terrorista.

Tais fatores foram determinantes para que este líder dos sem-terra em questão fosse posteriormente eliminado de uma forma brutal em 18/03/2008, por um outro muitíssimo amigo seu, mas  mais amigo ainda, do  movimento,  com  três  facadas,  sendo  duas  pelas  costas,  no  local  onde  estava  escondido. Para a surpresa de todos, este local era a Fazenda Entre Rios, localizada no Município de Capitão Enéas (MG), que  pertence ao meu  pai. Não existe mesmo, luz no fim do túnel para quem faz o “Curso para ser Líder dos Sem-Terra” em  Belo  Horizonte.

Se continuar prevalecendo a política do “Não é ilícito se apropriar de algo, que não está sendo usado”, as matas e florestas de todo o Brasil, em prol da socialização do campo, serão totalmente destruídas. E os olhos do mundo se voltam para uma Amazônia agonizante.

Com  relação à Mata Atlântica, quando  escrevi  o  artigo  “Reforma  Agrária  na Mata  Atlântica :  A  Parceria  INCRA & IBAMA”  publicado em  01/09/2007, no  Jornal  Folha  do  Norte de  Janaúba (MG),  jamais  poderia  imaginar  que  estaria,  não  só  defendendo   as  minhas   propriedades   rurais,  mas  também documentando algo  novo, inusitado. Algo que iria surpreender, o naturalista britânico Charles Robert Darwin, autor do  livro “A Origem  das  Espécies” de  1859. Eu estava documentando em pleno século XXI: “A Involução das Espécies”.

A VEJA (28/05/2008) fala de uma nova espécie de bicho em Belo Horizonte, de um exemplar, um ex-militante de uma organização guerrilheira comunista, hoje milionário e convertido ao capitalismo.

Pois eu digo que esta espécie de bicho, há muito tempo existe, e que pode utilizar múltiplos disfarces. Já detectei tais seres nos “Laboratórios da Caatinga”, colocando em risco, as minhas propriedades rurais.

Olhando na revista para as fotos das “Monas Lisas”, posso afirmar que infelizmente, são mesmo.  São frutos de um processo de involução, de deterioração, que não têm nada, para à democracia, acrescentar.

Carta Ética protocolada no Instituto Estadual de Florestas (IEF) de Janaúba (MG) em 05/06/2008.


 
< Anterior   Próximo >